Nossa Senhora da Assunção e São José


SOMOS FAMÍLIA TERESIANA

Testemunho da OCDS (Ordem Carmelita Descalça Secular)

 

Eu e Adineia conhecemos a OCDS em 2007, visitando o Carmelo do Guabirotuba para conhecer o Bazar de dia das mães, que era organizado pelos casal Luís e Nadir Poirat. 
Ao visitarmos o Carmelo, dedicado à Nossa Senhora da Assunção e São José, ficamos encantados e nem queríamos mais ir embora. Assim, voltamos no dia seguinte para participar da Santa Missa, quando a irmã Leopoldina nos indicou a comunidade OCDS, na qual fomos muito bem acolhidos, especialmente pelo casal Mário e Beatriz Choinski. Neste mesmo mês, participamos de uma reunião da comunidade Santa Teresa e, no mesmo ano, recebemos o escapulário da OCDS, entregue pelo Frei Davi de Maria Imaculada. 

Desde então, o Carmelo fez parte de nossa vida. Em 2008, casamos na paróquia carmelita descalça de Nossa Senhora das Vitórias, tendo três casais de confrades como padrinhos. Em 2010, nasceu nosso primeiro filho, José Eduardo, que foi batizado, pelo frei Davi, no mosteiro carmelita. No mesmo fizemos as promessas temporárias e, em 2012, fizemos as promessas definitivas. No ano seguinte, tivemos mais um filho, Luiz Antônio, que também participa conosco das atividades da comunidade. Em 2014, tive a oportunidade de começar a ajudar no conselho da comunidade, como mestre de formação. Atualmente sou presidente, à frente dessa mesma comunidade.

Resumindo, o Carmelo foi uma misericórdia de Deus para nossa vida, ajudando-nos a seguir no caminho da subida desse Monte, que é o próprio Cristo. Estimulamos a todos que se sentem vocacionados, para que façam essa experiência da espiritualidade carmelita, onde também poderão seguir como discípulos e missionários de Cristo, vivo e ressuscitado, de acordo com o seu estado de vida. 

​Adineia Maria da Eucaristia e Carlos Eduardo - Presidente da OCDS de Curitiba

OCDS Comunidade Santa Teresa

 

 
Mário Choinski,
Comunidade Santa Teresa, OCDS

                    OCDS – ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS SECULARES
 
A ciência, desde que o homem a sistematizou, tenta desvendar a origem do ser humano no Planeta Terra, e apesar de todo o progresso cientìfico, não conseguiu uma explicação plausível, que seja acatada por consenso definitivo. E não somente a origem do homem, mas tudo o que nos cerca, como a energia, a luz, as ondas que alimentam nossos meios de comunicação, as maravilhas do universo, o sol, a lua, as estrelas, as galáxias... a fauna, a flora, o ar que respiramos, a água como  origem e manutenção da vida...  Tudo requer uma explicação simples  e nós os crentes acreditamos que tudo isso é dádiva  de  Deus Criador.

E mais ainda, esse Deus Criador infundiu em nós uma tendência interna e eterna de nos comunicarmos com Ele. Queremos ver esse Deus. Queremos falar com Ele. E quanto mais o procuramos fora de nós, nas mais diversas formas e metodologias  que criamos: a ciência, a filosofia, as artes, no domínio dos outros através da busca de poder, na acumulação de riqueza que buscamos açodadamente, NÃO O ENCONTRAMOS. E enquanto vivermos estaremos sempre angustiados e inquietos. 

É célebre a frase de Santo Agostinho: “Fizeste-nos para Ti, Senhor. E, inquieto estará nosso coração enquanto não repousar em Ti”.  Todos os homens estão inquietos e sedentos pensando em falar com Deus. Todos os antigos profetas, todos os santos cultivaram essa ânsia de falar com Deus. E diante de nossa pequenez e miséria, o próprio Deus inspirou os Profetas que nos legaram os SALMOS  como forma de falar com Deus...

E para nós que cremos em JESUS CRISTO como enviado de Deus, Ele nos ensinou a rezar o PAI NOSSO... E  vários SANTOS da Igreja deram exemplos e escreveram doutrinas e formas práticas de falar com Deus pela oração e de fazer o que Jesus fez quando esteve entre nós. SANTA TERESA DE JESUS, para os Carmelitas, foi a fundadora, a mensageira e o exemplo para uma forma de vida e uma forma de oração. Ela reorganizou a forma de vida das MONJAS CARMELITAS e dos FREIS CARMELITAS dando-lhes, através de seus escritos, a regra de vida e a forma de oração  que constituem o que chamamos de carisma carmelitano.

E para estender aos que vivem fora no mundo essa forma de vida e essa forma de oração, foi organizada a OCDS  como Entidade religiosa para os que querem viver como bons cristãos, no mundo civil, adotando em suas vidas o carisma carmelitano, para viver o exemplo de vida de Santa Teresa. A OCDS :  “É uma associação de fiéis que se comprometem a buscar a perfeição conforme os conselhos dos Evangelhos, estando no mundo, inspirando-se e nutrindo a vida cristã com a espiritualidade e dos Carmelos Teresianos. Seus membros pertencem plenamente à Família Carmelitana e são filhos da mesma Ordem, em vivência fraterna dos mesmos bens espirituais, participando da mesma vocação à santidade, da mesma missão na Igreja, permanecendo cada qual de seus membros, em seu estado de vida civil e profissional.”

A vida de oração, ao modo de Santa Teresa, é um trato de amizade com Deus, com quem passamos a falar como um amigo que está ao nosso lado, ou mais ainda, que mora dentro de nós. Esta forma é adotada como resposta aos questionamentos que todos os cristãos fazemos ante a fraqueza de nossa natureza humana, ante a falta de palavras para nos comunicarmos com Deus, ante a presença do sofrimento em nossas vidas, e ante a ânsia do eterno que sentimos dentro de nós.

 

 

SOBRE A NOSSA VIVÊNCIA NA OCDS

 

Todos temos momentos de nos questionarmos sobre a prática da caridade, sobre a prática do perdão em relação aos demais. Ante as dificuldades pessoais somos instados a nos organizar com as outras pessoas que tem as mesmas dificuldades e limitações. A Igreja organiza as pastorais específicas, a sociedade civil organiza as ONGs, os profissionais organizam os sindicatos, cada qual com propósito de ajuda mútua para resolver dificuldades comuns.  

Na tentativa de buscar juntos uma solução aos questionamentos cristãos buscamos a companhia de outras pessoas para facilitar a nossa vida de oração e nossa prática da caridade tal como nos recomenda Jesus através dos Evangelhos. Ao frequentarmos a missa dominical, ao rezarmos o terço em grupos de oração, ao fazermos alguma novena, muitas vezes nos surpreendemos em modo automático, rotineiro  que não nos agrada e nem nos satisfaz.  De fato, a rotina, a repetência, e a falta de engajamento mental gera em nós a insatisfação.

Por isso, não nos convêm  abandonar a viver em modo automático, repetindo fórmulas, sem nos comprometermos com nada. É necessário quebrar a rotina e verificar que ao nosso lado estão pessoas com as mesmas  ou necessidades maiores que as nossas. As pessoas próximas  estão tristes, angustiadas, acabrunhadas, sofrendo de solidão. São carentes de atenção, de um sorriso, de uma palavra amiga, de uma visita. Quantas vezes são pessoas fracas que precisam de um braço para ampará-las, são idosos que precisam de apoio.

Os membros da OCDS tentam viver essa fraternidade entre si e na comunidade. E essa vivência de caridade, faz-nos afastar nossos medos e angústias, nossos sofrimentos e decepções, e faz brotar em nós aquela ânsia do eterno nas palavras de Santo Agostinho. E dessa ânsia do eterno nasce em nós a vontade de falar com Deus... como fazia Santa Teresa, como fazia São João da Cruz, Santa Teresinha do Menino Jesus,  como fez Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein), antes de enfrentar o martírio na câmara de gás do nazismo, e como fizeram muitos outros Santos Carmelitas...  Falar com DEUS, como amigo, ficar com Ele passeando em silêncio, ouvindo as sugestões que só o silêncio Dele sabe fazer...

No Carmelo de Curitiba, existe a OCDS – Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares para que você possa aperfeiçoar sua forma de oração e praticar a vida de amizade com Deus, possa compartilhar caridade fraterna e praticar a caridade cristã. Conheça o Carmelo descalço secular e descubra o valor do silêncio, aprofundando-se na vivência dos mistérios da Igreja. Essa é uma forma de aceitar e realizar o convite de Jesus: “Sede santos como vosso Pai Celeste”. 

Procure a OCDS junto ao Carmelo da Assunção e São José  em Curitiba, na Rua Joaquim Silveira da Mota, Guabirotuba, perto do Viaduto Estaiado e da Avenida das Torres. Nossos membros se reúnem no último Sábado de cada mês, às 16 horas, rezam as Vésperas com as Monjas, fazem uma partilha sobre o caminho da oração e uma confraternização.

 

http://santateresacomunidade.blogspot.com/