Nossa Senhora da Assunção e São José


O Carmelo e a Devoção à São José

Neste mês de julho dedicado à Nossa Senhora do Carmo, queremos meditar sobre a presença de São José no Carmelo Descalço. Todos os nossos santos cultivaram uma grande devoção á São José, especialmente nossa Santa Madre Teresa, que foi propagadora de sua devoção. Confiemo-nos à Nossa Senhora do Carmo juntamente com São José e lhe peçamos a graça de sermos santos como foram todos aqueles que à ele se confiaram.


São José entra no Carmelo desde as origens da Ordem. Não por acaso o Carmelo é flor plantada, nascida e desenvolvida na Palestina, a terra de José. O Carmelo nasce embalado por Maria e José. Desde suas origens derrama fortes aromas josefinos juntamente aos marianos.

E se não é verdade o que foi escrito, que "quando os Carmelitas, fugindo da perseguição no oriente, refugiaram-se no ocidente, trouxeram consigo a festa de São José” , é inegável que a devoção a São José, a nível privado e local, vivia-se desde a vinda dos carmelitas para a Europa, embora a festa do Santo Patriarca, a nível de Ordem, apareça apenas na segunda metade do século XV, com a particularidade de que os carmelitas foram os primeiros que na Igreja latina compuseram um ofício inteiramente próprio em honra de São José, que aparece no breviário impresso em Bruxelas em 1580 e nos seguintes, e é certamente o que lia a Santa Teresa na festa de São José.

Significa que os carmelitas desde que começaram a honrar São José, o fizeram com tanto ardor e fé que não se encontra precedente igual na história josefina. "Este ofício não é somente o mais antigo monumento elevado na Igreja latina para a glória de São José, mas certamente o cântico mais belo que jamais lhe consagraram. Todas as partes, desde a primeira antífona até a última, representam o Santo em todo o esplendor de sua glória" (Leão). 

Com a sensibilidade típica do carisma contemplativo do Carmelo, a liturgia daquele tempo celebrava a pureza da Virgem e de São José em termos de disponibilidade a Deus, que torna possível a acolhida do mistério da Encarnação. São José é ainda apresentado na liturgia antiga do Carmelo como o esposo virginal de Maria, unido a ela com um matrimônio verdadeiro, no qual a sua autoridade de esposo, protetor e pai manifesta-se no total serviço a ela.

Além disso São José é contemplado na sua obediência a Deus; Ele é o homem justo, o digno senhor da casa do seu Senhor a quem foi confiada a responsabilidade de dar o nome divino revelado pelo anjo ao Menino Jesus. Assim fazendo, São José é quem por primeiro proclama: no Menino de Nazaré Deus nos salva! São José por isso é celebrado como o espelho da vida mística carmelitana em Deus.

(Fonte: O Patrocínio de São José, Carta dos Superiores Gerais; São José fundador e pai do Carmelo Teresiano, Secretariatus Generalis Pro Monialibus O.C.D. - Romae)


A indulgência plenária é concedida nas condições habituais (confissão sacramental, comunhão eucarística e oração segundo as intenções do Santo Padre) aos fiéis que, com o espírito desapegado de qualquer pecado, participem do Ano de São José nas ocasiões e da maneira indicada por esta Penitenciária Apostólica.

Para reafirmar a universalidade do patrocínio da Igreja por parte de São José, a Penitenciária Apostólica concede indulgência plenária aos fiéis que rezem qualquer oração legalmente aprovada ou ato de piedade em homenagem a São José, por exemplo "A ti, ó bem-aventurado José", especialmente nos dias 19 de março e 1 de maio, festa da Sagrada Família de Jesus, Maria e José, o Domingo de São José (segundo a tradição bizantina), o 19 de todos os meses e todas as quartas-feiras, dia dedicado à memória do Santo segundo a tradição latina.

“Lembrai-vos ó puríssimo esposo da Virgem Maria, meu doce protetor São José, que jamais se ouviu dizer, que alguém tivesse invocado a vossa proteção, implorado o vosso socorro e não fosse por vós consolado. Com esta confiança venho a vossa presença, a vós fervorosamente me recomendo. Ó não desprezeis as minhas súplicas Pai adotivo do Redentor, mas dignai-vos de acolhê-las piedosamente. Amém.”